quarta-feira, 11 de setembro de 2013

A PACIÊNCIA:


A PACIÊNCIA




"Perdoar aos que Deus colocou em nosso caminho, para serem os instrumentos de
nossos sofrimentos e submeterem à prova
a nossa paciência". (E. S. E. Cap. 9 item 7).

Tem paciência! Tem paciência é a pedida constante! Parece até que essa virtude é
um amuleto, com o condão de transformar atitudes. Mas, realmente, não é! É conquista, esforço, exercício, ensaio-erro constantes, alimentados na confiança em Deus, que nos fornece as condições para a conquista da
paciência. Com a educação transmitida no exemplo da mãezinha carinhosa, a criança
é levada a ensaiar os passos para adquirir
a paciência. Na infância, ela se prepara para
a aquisição das expressões da paciência, eliminando a ansiedade, a impertinência, bem como aprendendo a esperar sem a atmosfera psíquica conturbada pelos gritos e agressões, verbais ou não. Nas primeiras amamentações, com a disciplina da mãe ao oferecer o seio, dentro de um ambiente de paz e tranqüilidade interna e externa, o bebê já vai sendo preparado para eliminação das ansiedades, num desenvolvimento psíquico harmônico.
A luz e o som podem se tornar fatores equilibrantes ou não. E a criança, ao se desenvolver orgânica e psiquicamente, está sujeita às mais variadas interferências. Quando o Evangelho do Cristo é exercitado
na transmissão de energias calmantes sobre
o ventre da mãe, na conversa carinhosa de espírito para espírito, a paciência da espera começa a trabalhar os rudimentos da paciência global. Infância e juventude são períodos para a aquisição dessa virtude, fortalecida mais
tarde na idade adulta pela vivência integral dos ensinamentos do Cristo. Então, cada um terá fortalecido as condições de exercício
da paciência diante da dor, do sofrimento imposto pelas aflições, do perdão
- instrumento de execução
da lei sábia e justa de Deus.


MEIMEI